Foi a primeira pessoa que viu quando entrou. Tão bonito que ela baixou os olhos, sem querer querendo que ele também a tivesse visto. Deram-lhe um copo de plástico com vodka, gelo e uma casquinha de limão. Ela triturou a casquinha entre os dentes, mexendo o gelo com a ponta do indicador, sem beber. Com a movimentação dos outros, levantando o tempo todo para dançar rocks barulhentos ou afundar nos quartos onde rolavam carreiras e baseados, devagarinho conquistou uma cadeira de junco junto a janela. A noite clara lá fora estendida sobre Henrique Schaumann, a avenida poncho & conga, riu sozinha. Ria sozinha quase o tempo todo, uma moça magra querendo controlar a própria loucura, discretamente infeliz. Molhou os lábios na vodka tomando coragem de olhar para ele, um moço queimado de sol e calças brancas com a barra descosturada. Baixou outra vez os olhos, embora morena também, e suspirou soltando os ombros, coluna amoldando-se ao junco da cadeira. Só porque era sábado e não ficaria, desta vez não, parada entre o som, a televisão e o livro, atenta ao telefone silencioso. Sorriu olhando em volta, muito bem, parabéns, aqui estamos.

Não que estivesse triste, só não sentia mais nada.

Levemente, para não chamar atenção de ninguém, girou o busto sobre a cintura, apoiando o cotovelo direito sobre o peitoril da janela. Debruçou o rosto na palma da mão, os cabelos lisos caíram sobre o rosto. para afastá-los, ela levantou a cabeça, e então viu o céu tão claro que não era o céu normal de Sampa, com uma lua quase cheia e Júpiter e Saturno muito próximos. Vista assim parecia não uma moça vivendo, mas pintada em aquarela, estatizada feito estivesse muito calma, e até estava, só não sentia mais nada, fazia tempo. Quem sabe porque não evidenciava nenhum risco parada assim, meio remota, o moço das calças brancas veio se aproximando sem que ela percebesse.

Parado ao lado dela, vistos de dentro, os dois pintados em aquarela - mas vistos de fora, das janelas dos carros procurando bares na avenida, sombras chinesas recortadas contra a luz vermelha.

E de repente o rock barulhento parou e a voz de John Lennon cantou every dau, every way is getting better and better. Na cabeça dela soaram cinco tiros. Os olhos subitamente endurecidos da moça voltaram-se para dentro, esbarrando nos olhos subitamente endurecidos dos moço. As memórias que cada um guardava, e eram tantas, transpareceram tão nitidamente nos olhos que ela imediatamente entendeu quando ele a tocou no ombro.

-Você gosta de estrelas?
-Gosto. Você também?
-Também. Você está olhando a lua?
-Quase cheia. Em Virgem.
-Amanhã faz conjunção com Júpiter.
-Com Saturno também.
-Isso é bom?
-Eu não sei. Deve ser.
-É sim. Bom encontrar você.
-Também acho.

(Silêncio)

-Você gosta de Júpiter?
-Gosto. Na verdade "desejaria viver em Júpiter onde as almas são puras e a transa é outra".
-Que é isso?
-Um poema de um menino que vai morrer.
-Como é que você sabe?
-Em fevereiro, ele vai se matar em fevereiro.

(Silêncio)

-Você tem um cigarro?
-Estou tentando parar de fumar.
-Eu também. Mas queria uma coisa nas mãos agora.
-Você tem uma coisa nas mãos agora.
-Eu?
-Eu.

(Silêncio)

-Como é que você sabe?
-O quê?
-Que o menino vai se matar.
-Sei de muitas coisas. Algumas nem aconteceram ainda.
-Eu não sei nada.
-Te ensino a saber, não a sentir. Não sinto nada, já faz tempo.
-Eu só sinto, mas não sei o que sinto. Quando sei, não compreendo.
-Ninguém compreende.
-Às vezes sim. Eu te ensino.
-Difícil, morri em dezembro. Com cinco tiros nas costas. Você também.
-Também, depois saí do corpo. Você já saiu do corpo?

(Silêncio)

-Você tomou alguma coisa?
-O quê?
-Cocaína, morfina, codeína, mescalina, heroína, estenamina, psilocibina, metedrina.
-Não tomei nada. Não tomo mais nada.
-Nem eu. Já tomei tudo.
-Tudo?
-Cogumelos têm parte com o diabo.
-O ópio aperfeiçoa o real
-Agora quero ficar limpa. De corpo, de alma. Não quero sair do corpo.

(Silêncio)

-Acho que estou voltando. Usava saias coloridas, flores nos cabelos.
-Minha trança chegava até a cintura. As pulseiras cobriam os braços.
-Alguma coisa se perdeu.
-Onde fomos? Onde ficamos?
-Alguma coisa se encontrou.
-E aqueles guizos?
-E aquelas fitas?
-O sol já foi embora.
-A estrada escureceu.
-Mas navegamos.
-Sim. Onde está o Norte?
-Localiza o Cruzeiro do Sul. Depois caminha na direção oposta.

(Silêncio)

-Você é de Virgem?
-Sou. E você, de Capricórnio?
-Sou. Eu sabia.
-Eu sabia também.
-Combinamos: terra.
-Sim. Combinamos.

(Silêncio)

-Amanhã vou embora para Paris.
-Amanhã vou embora para Natal.
-Eu te mando um cartão de lá.
-Eu te mando um cartão de lá.
-No meu cartão vai ter uma pedra suspensa sobre o mar.
-No meu não vai ter pedra, só mar. E uma palmeira debruçada.

(Silêncio)

-Vou tomar chá de ayahuasca e ver você egípcia. Parada do meu lado, olhando de perfil.
-Vou tomar chá de datura e ver você tuaregue. Perdido no deserto, ofuscado pelo sol.
-Vamos nos ver?
-No teu chá. No meu chá.

(Silêncio)

-Quando a noite chegar cedo e a neve cobrir as ruas, ficarei o dia inteiro na cama pensando em dormir com você.
-Quando estiver muito quente, me dará uma moleza de balançar devagarinho na rede pensando em dormir com você.
-Vou te escrever carta e não te mandar.
-Vou tentar recompor teu rosto sem conseguir.
-Vou ver Júpiter e me lembrar de você.
-Vou ver Saturno e me lembrar de você.
-Daqui a vinte anos voltarão a se encontrar.
-O tempo não existe.
-O tempo existe, sim, e devora.
-Vou procurar teu cheiro no corpo de outra mulher. Sem encontrar, porque terei esquecido. Alfazema?
-Alecrim. Quando eu olhar a noite enorme do Equador, pensarei se tudo isso foi um encontro ou uma despedida.
-E que uma palavra ou um gesto, seu ou meu, seria suficiente para modificar nossos roteiros.

(Silêncio)

-Mas não seria natural.
-Natural é as pessoas se encontrarem e se perderem.
-Natural é encontrar. Natural é perder.
-Linhas paralelas se encontram no infinito.
-O infinito não acaba. O infinito é nunca.
-Ou sempre.

(Silêncio)

-Tudo isso é muito abstrato. Está tocando "Kiss, kiss, kiss". Por que você não me convida para dormirmos juntos.
-Você quer dormir comigo?
-Não.
-Porque não é preciso?
-Porque não é preciso.

(Silêncio)

-Me beija.
-Te beijo.

Foi a última pessoa que viu ao sair. Tão bonita que ele baixou os olhos, sem saber sabendo que ela também o tinha visto. Desceu pelo elevador, a chave do carro na mão. Rodou a chave entre os dedos, depois mordeu leve a ponta metálica, amarga. Os olhos fixos nos andares que passavam, sem prestar atenção nos outros que assoavam narizes ou pingavam colírios. Devagarinho, conquistou o espaço junto à porta. Os ruídos coados de festas e comandos da madrugada nos outros apartamentos, festas pelas frestas, riu sozinho. Ria sozinho quase sempre, um moço queimado de sol, com a barra branca das calças descosturadas, querendo controlar a própria loucura, discretamente infeliz.

Mordeu a unha junto com a chave, lembrando dela, uma moça magra de cabelos lisos junto à janela. Baixou outra vez os olhos, embora magro também. E suspirou soltando os ombros, pés inseguros comprimindo o piso instável do elevador. Só porque era sábado, porque estava indo embora, porque as malas restavam sem fazer e o telefone tocava sem parar. Sorriu olhando em volta.

Não que estivesse triste, só não compreendia o que estava sentindo.

Levemente, para não chamar a atenção de ninguém, apertou os dedos da mão direita na porta aberta do elevador e atravessou o saguão de lado, saindo para a rua. Apoiou-se no poste da esquina, o vento esvoaçando os cabelos, e para evitá-lo ele então levantou a cabeça e viu o céu. Um céu tão claro que não era o céu normal de Sampa, com uma lua quase cheia e Júpiter e Saturno muito próximos. Visto assim parecia não um moço vivendo, mas pintado num óleo de Gregório Gruber, tão nítido estava ressaltado contra o fundo da avenida, e assim estava, mas sem compreender, fazia tempo. Quem sabe porque não evidenciava nenhum risco, a moça debruçou-sena janela lá em cima e gritou alguma coisa que ele não chegou a ouvir. Parado longe dela, a moça visível apenas da cintura para cima parecia um fantoche de luva, manipulado por alguém escondido, o moço no poste agitando a cabeça, uma marionete de fios, manipulada por alguém escondido.

De repente um carro freou atrás dele, o rádio gritando "se Deus quiser, um dia acabo voando". Na cabeça dele soaram cinco tiros. De onde estava, não conseguiria ver os olhos da moça. De onde estava, a moça não conseguiria ver os olhos dele. Mas as memórias de cada um eram tantas que ela imediatamente entendeu e aceitou, desaparecendo da janela no exato instante em que ele atravessou a avenida sem olhar para trás.

Marcadores:

| Por ludelfuego | 21.9.06 | 15:36.

69 Responses to “O dia que Júpiter encontrou Saturno

  1. # Blogger Mariana

    =)  

  2. # Anonymous Anônimo

    adoro adoro adoro esse.  

  3. # Blogger Ivan Bittencourt

    acho que contos assim não precisam de comentário...
    Ele tá completo... perfeito. muito bom...

    =)  

  4. # Anonymous Anônimo

    muito bom!!!

    '-Vou te escrever carta e não te mandar.'

    adoro essa parte rs  

  5. # Blogger Fernanda Papandrea

    acho que contos assim não precisam de comentário...
    Ele tá completo... perfeito. muito bom... [2]!

    extremamente sensível =)

    beijos  

  6. # Blogger Gabriela Schotten

    Com certeza um dos meus favoritos.  

  7. # Anonymous Anônimo

    Simplesmente perfeito!!!  

  8. # Blogger Amonda

    acho que contos assim não precisam de comentário...
    Ele tá completo... perfeito. muito bom... [3]  

  9. # Anonymous Anônimo

    Eu sonho em um dia ter uma conversa dessas com alguém, em algum lugar...  

  10. # Blogger QUEM EU SOU

    Na verdade "desejaria viver em Júpiter onde as almas são puras e a transa é outra".  

  11. # Anonymous Anônimo

    Saturno e Júpiter dificilmente se encontrariam. Se encontrar é se perder porque o tempo não existe.  

  12. # Anonymous Anônimo

    Na grande maioria das vezes, sentimo-nos como peças de um tabuleiro misterioso, aberto aos olhos de deuses contemplativos e determinados a nos proporcionar a colheita do que plantamos. Saturno e júpiter nunca se encontrarão...  

  13. # Anonymous Anônimo

    posso simplesmente falar UAU?  

  14. # Anonymous Anônimo

    É demais!!!!  

  15. # Anonymous Karla

    Pois é... "Natural é as pessoas se encontrarem e se perderem"... e também não sei se "se tudo isso foi um encontro ou uma despedida"... mas sei que é natural... simples e natural...  

  16. # Blogger Rudolf Dual

    isto caiu como uma luva representa extamente a relaçaõ que tenho com a mulher que amo  

  17. # Blogger Unknown

    Perfeito!!! Eu e uma amiga, Nina. Fizemos uma adaptação desse conto, para uma apresentação da facul, onde demos um selinho no final, ficou super legalz. Ah! 'Bom encontrar você's'  

  18. # Blogger johann

    muito bom  

  19. # Blogger WEVERSON GARCIA DE OLIVEIRA

    Quando eu aprender a escrever como homem gostaria de escrever algo assim. denso, simples e lindo.  

  20. # Anonymous leticia

    Eu sonho em um dia ter uma conversa dessas com alguém, em algum lugar...

    simplesmente perfeito!  

  21. # Anonymous Anônimo

    Perfeitoooo! adoreiiii (:  

  22. # Anonymous Mel

    Vindo de Caio, não há como não ser perfeito!
    "O infinito é nunca. Ou sempre."  

  23. # Blogger Unknown

    - O tempo não existe.
    - O tempo existe, sim, e devora.

    Conto lindoo!  

  24. # Blogger Larissa Tabosaâ

    É simplesmente o conto mais lindo que já li em todaminha vida!

    Perfeito!  

  25. # Blogger Ananda Andrade

    Completa, leva, deixa.  

  26. # Blogger Augusto Freddo Fleck

    Um belo conto, encontrado por acaso, por este jovem de Virgem haha, muito bom =)  

  27. # Anonymous Odara Guimarães

    Muito bom !
    Eu vi uma comunidade um trecho e despertou minha curiosidade !
    Lindo o texto  

  28. # Blogger Bobbie

    Este conto faz parte de minha vida desde os 17 anos...intrigante,sem ser pesado.Lindo!  

  29. # Blogger Sthefany

    Lindo...
    *-*  

  30. # Anonymous Anônimo

    perfeito, çç  

  31. # Blogger Unknown

    P-E-R-F-E-I-T-O *-*  

  32. # Anonymous Fábio R.

    ' Eu sou "fã" de Caio F. a muito pouco tempo, no entanto, este texto foi o primeiro que eu li; é bom pra carai, a maneira que ele é escrito, ele entra em todos os detalher de Jupiter & Saturno é muito bom.  

  33. # Blogger Evellyn Ponciano

    Caio, boa tarde! Tenho 14 anos e estou abismada com o que você escreve, já que tenho um fascínio por escritas difíceis e "sombrias"! :)
    Estes dias estava eu sentada na Sala de Leitura do meu colégio com uma professora que corrige as minhas escritas e com uma nova estagiária que me simpatizei muito. Ela me adorou logo e, no dia seguinte, trouxe para mim o seu blog. Pediu para eu dar uma olhada e falou que a minha maneira de escrever é parecida com a sua...
    Eu, particularmente, não sou muito fã do que eu escrevo, porém achei, só pelo nome, o seu blog muuuuuito interessante.
    Estou eu aqui agora lendo grande parte dos seus textos e confesso que estou completamente APAIXONADA pelo seu modo tão simples, mas tão mágico de escrever.
    Agora vejo que a nossa Literatura possui peças de ouro, coisas de outro mundo!
    Obrigada por compartilhar conosco as suas inspirações. E mais ainda por me transmitir valores importantes!!!!
    Parabéns. :D

    Evellyn Ponciano.  

  34. # Anonymous Anônimo

    Amo , amo, amo, Caio Fernando .. Está louca a procura desse conto , maravilhoooooso!  

  35. # Anonymous Anônimo

    Estava *  

  36. # Blogger Amanda Moreno Medina

    Tão lindo :c  

  37. # Blogger Astronauta

    É possível amar e odiar um mesmo conto por razões diferentes, ou talvez, pela mesma razão?  

  38. # Blogger Maria Isabel Landim

    Não consigo ler e não chorar no fim.  

  39. # Anonymous Kary War

    Caio sempre Caio. Vamos nos ver?  

  40. # Anonymous Kamylle

    De que livro é esse conto ?  

  41. # Anonymous Anônimo

    esse conto é do livro morangos mofados  

  42. # Blogger Eloísa Gonçalves

    Este comentário foi removido pelo autor.  

  43. # Blogger Unknown

    Simplesmente magnífico , um dos melhores ♥  

  44. # Blogger Unknown

    No teu chá. No meu chá.  

  45. # Anonymous Charles

    Mari brought me heeere!! (:  

  46. # Blogger Unknown

    Simplismente o melhor conto que ja li na vida  

  47. # Blogger Unknown
  48. # Blogger chenlina
  49. # Blogger oakleyses
  50. # Blogger oakleyses
  51. # Blogger oakleyses
  52. # Blogger oakleyses
  53. # Blogger 柯云
  54. # Blogger raybanoutlet001
  55. # Blogger jeje
  56. # Blogger adidas nmd
  57. # Blogger raybanoutlet001
  58. # Blogger Unknown
  59. # Blogger Unknown
  60. # Blogger Unknown
  61. # Blogger Unknown
  62. # Blogger wk

    0802jejeIl a connu une haute nike air max flyknit homme pas cher couronne et un large bord plat. Les emplois à Stockport sont en demande populaire, mais le taux d'emploi est toujours supérieur à la moyenne nationale à 75,5%. Encore une fois, l'opération d'éclairage est transparente, appuyez sur le bouton asics running homme soldes sur le dessus avec les diapositives de couverture pour exposer la double flamme (mon préféré)! L'Element a aussi les gizmos supplémentaires comme le coupeur de poinçon et la basket new balance prix jauge de carburant, avec avant et encore des poignées latérales pour assurer une lumière constante. Maintenant, comme chacun d'entre nous le sait, Nike sera le plus grand fournisseur de chaussures soldes asics running femme et de vêtements d'athlétisme. À mon avis, ce sont quelques-uns des meilleurs briquets à cigares là-bas pour votre argent durement gagné. Ce qui signifie beaucoup plus de stabilité et de respirabilité et moins nike air max 1 bleu marine homme de graisse avec votre sneaker.
     

  63. # Blogger Unknown
  64. # Blogger 56
  65. # Blogger Unknown
  66. # Anonymous Obat Radang Dinding Rahim
  67. # Anonymous Cara Alami Untuk Mengobati Batuk Kronis
  68. # Anonymous Cara Penyembuhan Hepatitis B

    The article is very interesting. And I also want to share articles about health, I'm sure this will be useful. Read and share it. Thank you very much :)

    Obat Sakit Pinggang di Apotik
    Pengobatan Alternatif TBC Tulang

    Manfaat Daun Sirih untuk Keputihan Abnormal  

  69. # Blogger monica
Postar um comentário